Cachaça RIo do Engenho Reserva Porcelana Terra Zoom

Cachaça Rio do Engenho Reserva Especial Porcelana Terra 700 ML

*Imagem meramente ilustrativa. A taça não acompanha o produto.

ID do produto: CRERPT700
Inscreva-se para ser notificado quando este produto voltar ao estoque

Disponibilidade: Esgotado

R$73,90
Rio do Engenho

Descrição

Detalhes

A Cachaça Rio do Engenho Reserva Especial Porcelana Terra - Engenho Velho é envelhecida por no mínimo três anos em tonéis de Bálsamo, Umburana, Itiúba e Louro-canela.

Esta Cachaça Extra Premium, possui características inigualáveis, indicada para consumidores exigentes.

Suas notas amadeiradas, sua cor amarelo ouro e seus sabores que se sobrepõem criam um aroma marcante e um sabor inconfundível.

Uma ótima opção para presente.

História:

É no berço da história da cana de açúcar no Brasil, que nasce a Cachaça Rio do Engenho.

As terras estão localizadas nas proximidades do povoado do Rio do Engenho, uma área de relevante importância histórica, que já foi sede de um grande engenho de açúcar pertencente a Mem de Sá, o terceiro Governador Geral do Brasil. É a cana de açúcar voltando a semear na região!

Tudo começou com a chegada da esquadra portuguesa, comandada por Pedro Álvares Cabral, que aportou em 22 de abril de 1500 no litoral baiano. A partir daí, toda terra, fauna, flora e povos nativos foram transformados em propriedade da Coroa Portuguesa. Assim, até 1530, o Brasil era representado pela exploração de recursos naturais.

Com a queda dos lucros, a necessidade de aumentar os gastos de guerra para garantir a posse das colônias e o crescente interesse de outros países também ocuparem as terras do Brasil, levaram o governo português a tomar medidas para a colonização efetiva deste vasto território. Dessa forma, as terras foram divididas em 15 grandes lotes e doadas a 12 pessoas abastadas do reino. Inicia-se assim o sistema de Capitanias Hereditárias.

A Capitania de São Jorge dos Ilhéos, que iniciava-se ao sul da Ilha de Itaparica e estendia-se até o atual rio Jequitinhonha, foi doada pelo Rei de Portugal ao fidalgo da corte Jorge de Figueredo Corrêa.

O documento de doação apontava as seguintes obrigações dos capitães donatários: fundar vilas e implantar fazendas, tornar as terras produtivas e lucrativas, além de defendê-las contra os povos estrangeiros ou nativos que se opusessem aos interesses da Coroa Portuguesa.

Mas Jorge de Figueredo não saiu da corte para tomar posse da capitania e designou Francisco Romero como seu representante, que desembarcou na Ilha de Tinharé com cerca de 250 homens para iniciar a exploração das terras. Logo encontraram outro lugar, mais ao sul, que ficava em uma península, entre quatro ilhéus e desaguadouro de rios no mar. Local que possibilitava fáceis ações de defesa e excelente ancoradouro. Ali fundaram a Vila de São Jorge, que se tornou sede da Capitania.

Apesar de muito rico, Jorge de Figueredo associou-se a outras pessoas influentes para investir na produção de açúcar. Assim, em 1537, distribuiu 03 sesmarias, sendo uma delas de Mem de Sá, localizada às margens do rio Santana. Ali ergueu-se um engenho de açúcar de grande porte, movido a energia hidráulica e utilizando extensa mão de obra escrava. Sua capacidade de produção chegava a 10 mil arrobas de açúcar por ano.

O Engenho de Santana foi o centro econômico da Capitania durante séculos, sendo considerado um modelo para os fazendeiros da região.

As estratégias de dominação e utilização dos indígenas para o trabalho nos engenhos causaram diversos levantes e fugas dos Tupiniquim e Aimoré que habitavam a região. Em 1559 o próprio Mem de Sá comandou o exército que atacou os índios rebelados. Jesuítas foram enviados pela coroa portuguesa para catequizá-los como forma de “pacificação”, mas as revoltas continuaram.

Mem de Sá faleceu em 1572, deixando suas terras para a filha Felipa de Sá que se casou com Dom Fernando de Noronha (Conde de Linhares). Felipa morreu em 1618 e, sem herdeiros, deixou seus bens ao Colégio de Santo Antão de Lisboa.

De 1618 a 1759, o Engenho de Santana passou a funcionar sob os cuidados dos padres de Ilhéus e Lisboa, que adquiriram escravos africanos e recuperaram o prestígio do engenho.

Em 1759, o governo português expulsa os padres jesuítas e o engenho é posteriormente arrematado em leilão público pelo Provedor da Casa da Moeda da Bahia, Manuel da Silva Ferreira.

Em 1789 ocorreu uma histórica luta de escravos no Engenho de Santana, os mesmos se rebelaram, paralisando a produção por dois anos. Sendo assim, o governo enviou uma expedição militar para debelar a revolta, e quando foram atacados, os escravos escreveram um tratado de paz, objetivando negociar as condições para voltar ao trabalho.

Observem que esse tratado feito pelos insurgentes é de uma importância histórica sem precedentes, pois além de ter sido escrito pelos próprios escravos quando o analfabetismo era muito grande até entre os brancos, contém reivindicações sindicais muito atualizadas. 

Vencida a rebelião, o engenho retorna para o controle de Manuel Ferreira. Mas como este ainda não havia pagado integralmente sua divida com o governo referente ao leilão, em 1810 as instalações passam a pertencer a Felisberto Caldeira Brant Pontes, o Marquês de Barbacena. Posteriormente, em 1834, negociou as terras com o Brigadeiro José de Sá Bitencourt e Câmara, que se tornou proprietário até 1896, quando as terras da sesmaria foram divididas entre os herdeiros. 

Ainda são raras as informações do período de 1896 à 1960, ano em que Othon Coutinho Dias comprou a extensão da sesmaria de Santana. As terras ainda pertencem a essa família, mas o engenho não funciona mais. Restam apenas ruínas e história. 

Informação Adicional

Informação Adicional

País de Origem
Alambique Rio do Engenho
Origem Ilhéus - Bahia
Envelhecimento 3 anos
Madeira Bálsamo, Amburana, Itiúba e Louro-canela
Graduação 38% vol.
Volume 700 ml

Opiniões

BaianaReview by Arthur Goncalves Silva
Nota
A melhor cachaça baiana de todos os tempos (Postado em 19/08/2014)

Escrever sua opinião

Sua opinião para: Cachaça Rio do Engenho Reserva Especial Porcelana Terra 700 ML

Como você classifica este produto? *

  1 estrela 2 estrelas 3 estrelas 4 estrelas 5 estrelas
Nota

Tags do produto

Tags do produto

Use espaços para separar tags. Use aspas simples (') para frases.

Produtos recomendados para você: